Redação

Agricultores preparam safra de inverno, informa Emater/RS-Ascar

Enquanto as lavouras da safra de verão são colhidas, os agricultores gaúchos começam a planejar a safra de inverno. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar na quinta-feira (4), os agricultores negociam crédito para financiamento de custeio das lavouras de trigo, em especial na parte Norte, e encaminham amostras de solo para análise e correção de nutrientes.

Nas regiões Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, os altos custos dos insumos interferem na definição da área a ser cultivada, de acordo com o Informativo Conjuntural. Na Fronteira Noroeste e Missões, foram liberados os primeiros recursos destinados a insumos para lavouras de trigo.

No caso da canola, produtores buscam crédito para custeio em agentes financeiros, mas a expectativa é de diminuição da área no Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial também conforme o Informativo Conjuntural. Na Fronteira Noroeste e Missões, diferentemente, empresas agrícolas estão fazendo pré-contratos de compra com fornecimento de insumos, o que tem motivado a ampliação da área de canola, até mesmo como alternativa ao cultivo do trigo.

Soja

Soja colheita Tupanciertã VERT1 Rendimento médio está em 3.800 kg/ha na região da Produção - Foto: Rodger Timm / Palácio Piratini / Reprodução

No Estado, colheita da soja avançou muito, chegando aos 52% das lavouras, sendo que outras 33% estão maduras e 15%, em enchimento de grãos. A produtividade está de acordo com a expectativa, chegando à média de 3.800 kg/ha na região da Produção.

No Sul, o rendimento das lavouras de soja é distinto: nas coxilhas, tem sido de 75 sacas por hectare; na fronteira, não deve ultrapassar 40; e na região da Encosta da Serra do Sudeste, a produtividade esperada fica acima de 60 sacas por hectare. Se o tempo favorecer, a colheita da soja será finalizada até meados de abril.

Milho

O tempo seco dos últimos dias favoreceu o avanço da maturação e a colheita do milho, alcançando 70% da área, estando com 19% maduro e 10% em enchimento de grãos, com apenas 1% em floração.

Na região Central, 43% da área foi colhida, com produtividade média de 90 sacas por hectare. Em específico no município de Tupanciretã, onde a maior parte da lavoura é irrigada com pivô central, a área está 95% colhida, com produtividade de 210 sacas por hectare.

Feijão

Restam apenas 5% das lavouras de feijão para serem colhidas, todas nos Campos de Cima da Serra. As produtividades estão próximas do esperado inicialmente, que é de 2,5 toneladas por hectare.

A safrinha está quase toda implantada. Como a segunda safra de feijão é basicamente cultivada pela agricultura familiar e para autoconsumo ou reserva de sementes, tende a se estender por um período maior.

Atualmente, 9% da segunda safra de feijão foi colhida; 11% está madura e por colher; 35% está em enchimento de grãos; 30%, em floração; e 15% das áreas estão em germinação e desenvolvimento vegetativo.

Arroz

A safra de arroz teve a colheita acelerada na última semana, chegando a 60% da área. As lavouras da Campanha e Fronteira Oeste, regiões de grande importância da cultura no estado, estão com bom ritmo de colheita, avançando em todos os municípios. Na Zona Sul, outra região de grande expressão da cultura no RS, também prossegue a colheita, atingindo 51% da área. Até o momento, a produtividade de referência é 8,2 toneladas por hectare.

Olerícolas e frutícolas

Pepino: apesar de ter crescido o consumo, o pepino japonês ainda é bem menos comercializado do que o pepino salada convencional. No RS, há um movimento crescente de olericultores que estão substituindo o plantio do pepino salada pelo japonês. Contudo, como o segmento olerícola responde forte e rapidamente às oscilações entre oferta e demanda, a partir do momento que o mercado estiver sobrecarregado de pepino japonês, o preço tende a cair.

Kiwi Serra 07 Em breve, começará a colheita das variedades mais cultivadas na Serra - Foto: Arquivo / Secom

Quivi (também escrito kiwi): o produto está em plena colheita das variedades glabras (peladas) e de polpa amarela, da espécie Actinidia chinensis, com frutos de bom calibre e altos teores de açúcar. Em breve, terá início a colheita das variedades mais cultivadas na Serra, da espécie Actinidia deliciosa. De maneira geral, as plantas apresentam bom vigor e sanidade.

Pastagens e criações

Na pecuária de corte, o campo nativo, as espécies de pastagens perenes de verão (tíftons, panicuns e braquiárias) e as gramíneas anuais de verão (sorgo forrageiro, capim sudão e milheto) apresentam-se fibrosas, com menor taxa de crescimento e baixa qualidade, devido aos baixos índices de umidade no solo.

Pecuaristas dos Campos de Cima da Serra iniciaram a implantação das pastagens cultivadas de inverno, procurando antecipar o pastoreio e evitar que o gado reduza em demasia a condição corporal, que ocorre quando os animais são mantidos em pastagens naturais durante o inverno.

Em propriedades com integração lavoura-pecuária, após a colheita de soja e arroz são implantadas as pastagens de inverno (aveia e azevém). Assim, é necessária chuva nos próximos dias, para não prejudicar a germinação. Alguns produtores estão acessando crédito de custeio para implantação de pastagens de inverno.

Na pecuária de leite, as pastagens anuais de verão começam a ficar mais fibrosas, diminuindo a qualidade da forragem e o potencial produtivo, caracterizando o início do vazio forrageiro de outono.

Para implantação das pastagens de inverno, são recomendados especialmente centeio, trigo forrageiro, aveia melhorada e azevém tetraploide. Na região de Caxias do Sul, alguns produtores fizeram a semeadura de milheto em fevereiro, visando enfrentar o vazio forrageiro outonal.

Texto: Adriane Bertoglio Rodrigues / Ascom Emater/RS-Ascar
Edição: Marcelo Flach/Secom

  17 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

17 Acessos

Secretaria verifica obras realizadas em barragem na zona sul do RS

Uma visita técnica à barragem Santa Bárbara, na zona sul do RS, foi realizada na sexta-feira (5) por equipe da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), para verificar as obras realizadas com a finalidade de melhorar a segurança operacional e reduzir riscos. Em junho de 2017, o Departamento de Recursos Hídricos da secretaria havia recomendado manutenções preventivas no local.

Logo após as observações, o Serviço Autônomo de Abastecimento de Água de Pelotas (Sanep) reforçou a estrutura. As obras incluíram a colocação de asfalto no coroamento (parte superior da pista que represa a água da barragem), com a finalidade de impermeabilizar o maciço, evitando possíveis infiltrações de chuva. Também houve impermeabilização do vertedouro, limpeza completa do canal de fuga, com retirada de vegetação, e reconstrução das paredes de contenção. Em outra etapa, houve desobstrução dos drenos e correções no talude. Também foram instalados 20 piezômetros, aparelhos que indicam a estabilidade de maciços e drenos.

O secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior, destacou a agilidade dos serviços executados após orientação do relatório da Agência Nacional de Águas (ANA). “Recebi com precisão as informações de tudo que havia sido feito na barragem, todas as obras, manutenções. Tudo o que poderia ser melhorado foi feito pelo Sanep. Este é um assunto que encaramos com seriedade para que não seja esquecido, devido à sua importância”, disse Lemos Júnior.

Barragem S Bárbara maciço O coroamento, pista que cobre o maciço, foi asfaltado, impermeabilizando a área, o que evita infiltração da chuva - Foto: Angélica Mengue / Prefeitura de Pelotas / Reprodução / Divulgação

A reunião inicial foi no gabinete da prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas. Depois, a comitiva seguiu para vistoriar as obras na Santa Bárbara. A prefeita destacou a importância da visita de órgãos para tranquilizar a população de que a barragem está segura e recebendo a atenção devida. “Este assunto é uma das prioridades do nosso governo e entendo ser fundamental ter o olhar oficial do Estado nestas ações que o Sanep executou, assim vamos conseguir virar esta página. Estamos atentos e vamos seguir as manutenções diárias na barragem que abastece cerca de 60% da cidade”, afirmou Paula.

Na visita, o diretor-presidente do Sanep, Alexandre Garcia, destacou que a autarquia prepara um Plano de Ação Emergencial (PAE) e uma Declaração de Estabilidade (DCE), que irão qualificar o serviço. O processo licitatório para contratação de empresa responsável pelo DCE  já está em andamento. O documento irá indicar as medidas que precisam ser adotadas em caso de situação de risco.

Além do secretário Lemos Júnior, participaram da visita a diretora-presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), Marjorie Kauffmann, o diretor de Recursos Hídricos e Saneamento do Estado, Paulo Renato Paim, e o técnico da Divisão de Outorga, Rogerio Fontoura da Sena. Também acompanharam a reunião no gabinete da prefeita o chefe de gabinete do governo do Estado, Paulo Morales; o vice-prefeito Idemar Barz; o presidente da Câmara de Vereadores, Fabrício Tavares; o diretor-presidente do Sanep, Alexandre Garcia; e o secretário de Qualidade Ambiental de Pelotas, Felipe Perez.

A barragem

Barragem Santa Bárbara aérea Sanep, empresa de abastecimento de água da cidade, realizou melhorias de acordo com relatório da ANA - Foto: Rodrigo Soares / Prefeitura de Pelotas / Reprodução / Divulgação

A Sanep tem quatro pontos de captação de água. Um deles é a Santa Bárbara. A barragem, conforme a Sanep, tem 352 hectares inundados e 359 hectares de proteção. A profundidade da bacia de acumulação varia de três a quatro metros. O volume de água estimado chega a 10 bilhões de litros. Tem como finalidade fornecer água bruta para a unidade de tratamento da ETA Santa Bárbara e para a zona industrial da cidade.


Texto: Ascom Sema
Edição: Marcelo Flach/Secom

  51 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

51 Acessos

RS Seguro realiza primeira reunião geral e projeta novas ações

Ponto crucial do RS Seguro, a estratégia transversal de alinhamento e integração de ações entre as forças da segurança pública, deu mais um importante passo nesta sexta-feira (5). Foi realizada a primeira reunião entre os pontos focais do programa. O encontro, no Centro Administrativo do Estado, contou com a participação dos responsáveis por dar andamento à transversalidade do RS Seguro em cada uma das secretarias de governo.

Na reunião, os representantes receberam informações a respeito de como serão os seus papéis, o protagonismo e as responsabilidades de cada secretaria, além de orientações sobre demandas e prazos.

No encontro. o vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, agradeceu a atenção dispensada pelos participantes para a efetivação do RS Seguro como um programa estruturante e transversal de governo. “Não tenho dúvidas dos resultados positivos dessa interlocução entre todas as áreas. Tenho certeza que em pouco tempo estaremos colhendo os resultados positivos deste empenho”, disse Ranolfo.

Secretário executivo do RS Seguro e diretor-geral do gabinete do vice-governador, o delegado Antônio Padilha destacou que a primeira reunião teve como principal objetivo o alinhamento entre os pontos focais e a coordenação do programa, além da definição de um cronograma de entrega.

Padilha lembrou que o RS Seguro foi gestado no gabinete vice-governador com o objetivo primordial de envolver todas as áreas de governo, em busca de soluções sustentáveis que deem conta dos atuais problemas de criminalidade no Rio Grande do Sul. “Sabemos da difícil situação financeira que nosso Estado atravessa. Um dos nossos principais objetivos é priorizar políticas públicas que tragam maior retorno social, apesar das condicionantes do cenário fiscal”, ressaltou.

Texto: Júlia Soares/GVG
Edição: Marcelo Flach/Secom

  12 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

12 Acessos

Leite diz em SP que reformas vão criar ambiente para atrair investimentos

O governador Eduardo Leite participou, nesta sexta-feira (5), do 18º Fórum Empresarial Lide, em Campos do Jordão, no interior de São Paulo. O painel dos governadores, que contou com a presença dos chefes do Executivo de São Paulo, João Doria, e de Goiás, Ronaldo Caiado, abordou o tema “Segurança e capitalização dos Estados”.

Leite destacou as medidas que vem adotando a fim de superar a crise fiscal e de gerar desenvolvimento econômico no Rio Grande do Sul. Ao expor um breve resumo do quadro fiscal, um dos piores do Brasil, o governador mostrou que a situação se agrava na medida em que o perfil demográfico do Estado muda desde 2016.

“Estamos perdendo a participação da população potencialmente ativa, entre 18 e 65 anos da idade. Nove entre as dez cidades com maior percentual de idosos no Brasil estão no RS”, alertou, ressaltando, ainda, que o RS tem a maior proporção de aposentados para servidores em atividades. “Esse fato exige que façamos reformas profundas, a fim de sustentar essa realidade”, explicou.

Por isso, afirmou o governador, uma reforma do sistema previdenciário se torna fundamental para garantir a sobrevivência do RS. “Metade da arrecadação do ICMS gaúcho é destinada para arcar custos com a Previdência. Nosso déficit já chega a R$ 12 milhões”, alertou.

Com intenção de virar a página da crise, Leite vem adotando medidas que proporcionarão a recuperação fiscal do RS. A expectativa é de que a exigência de plebiscito para a venda de estatais, estabelecida pela Constituição estadual, seja revogada até o fim do mês. Isso fará com que a Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás), a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) e a Companhia Riograndense de Mineração (CRM) possam ser vendidas ou concedidas à iniciativa privada.

Lide Leite3 Governador detalhou a abrangência do RS Parcerias e os primeiros resultados do RS Seguro - Foto: Renan Arais / Palácio Piratini

Consequentemente, o RS passará a ter condições de aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), considerado indispensável para a retomada do crescimento econômico. Como forma de racionalizar despesas, o governo conseguiu a aprovação, na Assembleia Legislativa, do fim da licença-prêmio e da contagem do tempo ficto para servidores públicos gaúchos.

No painel, o governador  destacou a importância de melhorar o ambiente de competitividade do RS para atrair investimentos. “O RS não é um estado com problemas. É o governo que tem problemas. O Estado tem uma dinâmica econômica importante, uma iniciativa privada empreendedora, com vocação para o trabalho, que já gerou muita riqueza”, comentou.

Estimular investimentos é crucial

O governador Eduardo Leite lembrou que, além da reforma do sistema previdenciário, a retomada passa por um plano de modernização das receitas, pela revisão da estrutura do sistema tributário gaúcho, a fim de simplificar a relação do contribuinte com o governo, e por outras operações financeiras que viabilizam investimentos, como a abertura do capital da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan).

As parcerias com o setor privado serão estimuladas durante os quatro anos de gestão Leite. Em março, foi apresentado o programa RS Parcerias, que viabilizará a concessão de duas rodovias estaduais, do zoológico de Sapucaia do Sul e da rodoviária de Porto Alegre. O governador pretende trabalhar com o setor privado para incluir, no programa, aeroportos e presídios. “Acreditamos muito nesse modelo e o validamos com a população durante as eleições. O setor privado oferece maior eficiência na prestação de serviços, mais capacidade de atualização tecnológica e de captação de recursos, e mais facilidade em vencer etapas burocráticas”, ponderou.

Leite Lide5 Com a venda de estatais ou concessões, disse Leite, RS terá condições de aderir ao Regime de Recuperação Fiscal - Foto: Renan Arais / Palácio Piratini

Durante o debate, mediado pelo jornalista William Waack, Leite destacou a redução nos índices de violência nos primeiros meses de governo (redução de 25% nos homicídios e 24% nos latrocínios) e citou a participação da iniciativa privada nos investimentos em segurança pública. “Temos uma lei que permite que o setor privado invista nessa área em troca de redução na tributação, uma espécie de lei de incentivo à cultura, mas na área da segurança pública”, destacou.

Além disso, no fim de fevereiro, foi anunciado o RS Seguro, um programa transversal e estruturante que envolve várias secretarias e órgãos públicos e pretende oferecer à população um estado mais civilizado para residir e investir.

Sobre o Fórum Empresarial Lide

O Fórum Empresarial Lide é o maior e mais importante encontro corporativo do Brasil, reunindo cerca de 400 presidentes e empresários das maiores empresas do país, autoridades públicas de todas as esferas e autoridades políticas. A agenda de debates costuma girar em torno de temas sobre economia, gestão empresarial, política e responsabilidade social.

Nos últimos 17 anos, o fórum foi reconhecido como um dos principais espaços de debate das mais diversas correntes políticas e econômicas com a missão de promover melhorias positivas. Na 18ª edição, o fórum, cujo tema foi “O novo Brasil”, ocorreu em novo local. O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, também compareceu ao evento.

Texto: Renan Arais e Suzy Scarton
Edição: Marcelo Flach/Secom

  50 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

50 Acessos

Benefício a empresas que doam itens à segurança é aprovado pelo Confaz

A legislação gaúcha que permite que empresas destinem à área da Segurança Pública uma parte do ICMS devido teve mais um capítulo decisivo nesta sexta-feira (5). O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) aprovou a proposta de benefício fiscal, o que amplia as parcerias entre setores público e privado.

O governo Eduardo Leite defende a aprovação da proposta que começou na gestão anterior. A matéria foi defendida nesta semana pelo secretário da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, na reunião do Confaz em Brasília. Agora, é preciso aguardar a publicação da ata do Conselho para que todas as etapas estejam vencidas.

A legislação, aprovada em agosto pela Assembleia gaúcha e sancionada em setembro pelo governo do Estado, possibilita a empresários destinar até 5% do saldo devedor de ICMS para ser aplicado no Programa de Incentivo ao Aparelhamento da Segurança Pública do Rio Grande do Sul (Piseg/RS).

Os valores arrecadados serão utilizados para a compra de equipamentos como veículos, armamentos, munições, capacetes, coletes balísticos, rádios comunicadores, equipamentos de rastreamento, de informática, bloqueadores de celular, câmeras e centrais de videomonitoramento.

Além disso, a lei prevê que os doadores terão de repassar mais 10% do valor compensado ao Fundo Comunitário Pró-Segurança para direcionar os recursos para projetos de prevenção primária, como na erradicação das drogas, inclusão social, formação e desenvolvimento do indivíduo, criação de uma cultura da paz, entre outros.

Pelo projeto aprovado, não haverá ônus aos cofres públicos, porque não está prevista renúncia ou isenção fiscal. A compensação de valores fica entre 0,6% a 0,8% do total da receita estadual com ICMS por ano.

Texto Ascom Sefaz
Edição: Marcelo Flach/Secom

  11 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

11 Acessos

Governo convida imprensa para coletiva sobre 100 dias de gestão

O governador Eduardo Leite atenderá a imprensa em entrevista coletiva às 9h da próxima terça-feira (9), no Palácio Piratini.

Na ocasião, haverá um balanço dos primeiros meses da administração e serão apresentadas novas iniciativas para a sequência do governo.

Serviço

Pauta: entrevista coletiva sobre 100 dias de governo
Quando: terça-feira, 9 de abril, às 9h
Local: Palácio Piratini

Texto e edição: Secom

  12 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

12 Acessos

Agências FGTAS/Sine oferecem mais de 2,3 mil vagas no RS

As agências FGTAS/Sine oferecem 2.395 vagas de emprego no Rio Grande do Sul. Os interessados em se candidatar às oportunidades de trabalho devem comparecer à unidade mais próxima com Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS). Os endereços e horários de funcionamento das agências estão disponíveis no site da FGTAS

Caxias do Sul (137), Santa Maria (97), Ijuí (91), Garibaldi (89), Carlos Barbosa (85) e Santiago (82) são as agências com o maior número de vagas cadastradas, para as funções de alimentador de linha de produção (193), eletricista de manutenção eletroeletrônica (108), auxiliar nos serviços de alimentação (98), costurador de calçados a máquina (75), motorista de caminhão (69) e vendedor de comércio varejista (64).

Alimentador de linha de produção
Das 193 vagas abertas, 46,6% das oportunidades não exigem escolaridade e 67,3% também não exigem experiência. Com relação à remuneração, o salário de 59,7% das vagas varia de 1,5 a 2 salários mínimos e 19%, de 1 a 1,5 salário mínimo. As agências FGTAS/Sine de Sapiranga (30), Ijuí (30), Carlos Barbosa (23), Nova Prata (16), Carazinho (15) e Garibaldi (12) são as unidades com o maior número de vagas de alimentador de linha de produção.

Eletricista de manutenção eletroeletrônica
Das 108 vagas abertas, 86% exigem Ensino Fundamental completo e 51,8% não exigem experiência. No que tange à remuneração, 51,8% das vagas oferecem de 1,5 a 2 salários mínimos e 37%, de 1 a 1,5 salário mínimo. As agências de Santiago (50) e Alegrete (40) são as unidades com o maior número de vagas de eletricista de manutenção eletroeletrônica.

Auxiliar nos serviços de alimentação
Das 98 vagas abertas, 80,6% exigem Ensino Fundamental completo e 88,7% não exigem experiência. Com relação à remuneração, 65,3% das vagas oferecem salários de 1 a 1,5 salário mínimo e 33,6%, de 1,5 a 2 salários mínimos. As agências de Arroio do Meio (16), Feliz (15), Carlos Barbosa (15), Butiá (15) e Pantano Grande (10) têm o maior número de vagas de auxiliar nos serviços de alimentação.

FGTAS
Vinculada à Secretaria de Trabalho e Assistência Social, a Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS) é a instituição executora das políticas públicas de trabalho, emprego e desenvolvimento social do RS. Desenvolve as ações do Sistema Nacional de Emprego, operacionalizadas nas agências FGTAS/Sine, que envolvem os serviços de seguro-desemprego, geração e análise de informações sobre mercado de trabalho, projetos de emprego e renda e qualificação profissional.

Texto: Ascom / FGTAS
Edição: Secom 

  10 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

10 Acessos

Emater/RS-Ascar promove eventos na Virada Sustentável

A Emater/RS-Ascar promove duas ações durante a Virada Sustentável, maior festival de sustentabilidade do país. Em Porto Alegre, o evento realizado entre 5 e 7 de abril desenvolve atividades na Casa de Cultura Mario Quintana, no Centro Cultural Vila Flores, no Parque da Redenção, no Centro Cultural da Ufrgs, na praça Júlio Mesquita e na Orla Moacyr Scliar.

Nesta sexta-feira (5), haverá o encontro “Escadas que Conectam”, a partir das 18h30, na escadaria entre as ruas Lauro de Oliveira e Cônego Viana, com rodas de conversas para abordar temas como agroecologia, turismo rural e consumo consciente. Além disso, ocorre distribuição de bebidas orgânicas e de mudas, exibição de mídias sobre turismo rural (com foco nos Caminhos Rurais de Porto Alegre) e informações sobre as feiras orgânicas da capital gaúcha.

No sábado (6), a partir das 15h, está marcada a "Oficina de Canapés com Flores”, no Laboratório de Nutrição do Colégio Americano, no bairro Rio Branco. Durante a recepção, haverá bate-papo sobre alimentação orgânica e Plantas Alimentícias Não Convencionais (Pancs).  Também acontecerá uma feira de encerramento com produtos orgânicos da agricultura familiar, além de divulgação de material informativo sobre o turismo rural no Estado e distribuição de mudas de temperos.

Clique aqui para acessar o link da inscrição. 

Texto: Ascom Emater/RS-Ascar
Edição: Secom

  14 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

14 Acessos

Defensoria Pública qualifica servidores para atuar com inclusão e diversidade

A Defensoria Pública do Rio Grande do Sul promove, até sexta-feira (5), um seminário para qualificar os servidores para atuar com inclusão social, diversidade e direitos humanos. Durante o evento, que ocorre no auditório da Ajuris, em Porto Alegre, foi apresentada a Comissão Permanente de Acessibilidade e Inclusão, que atuará pelos próximos dois anos em todo o estado. 

Na abertura do seminário, na manhã de quinta-feira (4), Catarina Paladini, secretário de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, ressaltou a parceria entre Executivo, Legislativo e Defensoria Pública para implementar ações e políticas públicas eficientes, que garantam a ampliação da inclusão e do acesso a direitos para todos.

“A Defensoria é uma caixa de ressonância da sociedade gaúcha e nossa integração é vital. A Comissão Permanente de Acessibilidade e Inclusão tem de ganhar as ruas. Para isso, contem com o apoio do governo”, afirmou Catarina Paladini.

Central de Vagas 

De acordo com o secretário, é preciso, além da excelência no atendimento à população com deficiência, aos LGBTs e aos negros, iniciativas concretas para diminuir o preconceito e a exclusão social.

“Com a Faders, por exemplo, vamos implementar ações junto à Central de Vagas e dar chance às pessoas no mercado de trabalho”, disse Paladini.

No seminário, também foi lançada a cartilha da Defensoria Pública sobre os direitos das Pessoas com Deficiência. Intitulado “Nada sobre nós sem nós”, o documento orienta a população sobre os diferentes tipos de deficiência e a abordagem correta de cada uma delas.

Texto: Ascom SJCDH
Edição: Secom

  10 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

10 Acessos

Parceria prevê criação de laboratório de pesquisas sobre barragens no RS

A criação de um laboratório para o desenvolvimento de pesquisas sobre barragens no Rio Grande do Sul foi tema de reunião realizada na quinta-feira (4), em Porto Alegre. O encontro contou com a presença de integrantes da Defesa Civil do RS, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) e prefeitura de Cachoeira do Sul.

O grupo iniciou as tratativas para a implantação de um laboratório destinado ao desenvolvimento de pesquisas e o acompanhamento da situação das barragens no estado. 

O laboratório será instalado no campus da UFSM em Cachoeira do Sul, e irá promover pesquisas e prestação de suporte técnico aos empreendedores para obtenção de licenças. Os professores e engenheiros devem elaborar estudos na área de barragens, entre as quais a do Capané, em Cachoeira do Sul, buscando melhorar as condições de segurança com estágios de sondagem e análise de solo, por exemplo.

O encontro contou com a presença do tenente-coronel Rodrigo da Silva Dutra, subchefe da Defesa Civil, de Guinter Frantz, presidente do Irga, de Daniel Winter, professor da UFSM e coordenador do projeto, além de vereadores e representantes da prefeitura de Cachoeira do Sul.

Texto: Ana Paola Dala Barba / Ascom Defesa Civil
Edição: Secom

  14 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

14 Acessos

Governador define novos diretores para a Junta Comercial (JucisRS)

O governador Eduardo Leite definiu, nesta quinta-feira (4) à noite, os novos diretores da Junta Comercial, Industrial e Serviços do Rio Grande do Sul (JucisRS).

A diretoria será composta pelo presidente Flávio Koch, pelo vice-presidente Sauro Henrique Souza Martinelli e pelo secretário-geral Carlos Vicente Bernardoni Gonçalves.

Em reunião com o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Ruy Irigaray, o governador também já definiu quem serão os 21 nomeados para os cargos de vogais e de suplentes da Junta Comercial. A lista completa será divulgada na próxima semana, no Diário Oficial do Estado.

A expectativa de Irigaray é que o grupo necessite, a partir do começo da próxima semana, em torno de 30 a 40 dias para colocar em dia os cerca de 5 mil processos acumulados na Junta Comercial. A ideia do secretário é montar uma força-tarefa, a fim de acelerar os trabalhos.

Apesar desse acúmulo, mais de 20 mil processos tiveram andamento em março, entre os quais a abertura de empresas, serviço que não foi afetado no período de definição da nova diretoria.

Texto: Suzy Scarton
Edição: Marcelo Flach/Secom

  24 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

24 Acessos

Secretaria da Saúde divulga nota descartando surto de meningite em São Leopoldo

A Secretaria da Saúde, por meio do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde de São Leopoldo, esclarece: não há surto de Doença Meningocócica (DM) no município.

O Ministério da Saúde (MS), em consonância com as diretrizes da Organização Mundial de Saúde, define surto comunitário de Doença Meningocócica (DM) como a ocorrência de 3 casos ou mais causados pelo mesmo sorogrupo, sem vínculos entre si em um período inferior ou igual a 3 meses. Salienta-se que, apenas em surtos de DM do sorogrupo C, considera-se a vacinação de grupos fora da faixa etária de rotina, que serão definidas a partir da avaliação do perfil epidemiológico do surto.

O cenário epidemiológico atual é a ocorrência de dois casos confirmados laboratorialmente de sorogrupos diferentes, um causado pelo sorogrupo B, e outro causado pelo sorogrupo C no mês de março.

Na suspeita de Doença Meningocócica, a medida de controle indicada e considerada eficaz na prevenção de casos secundários é a quimioprofilaxia, que consiste na administração de Rifampicina (antibiótico), nos contatos próximos com o caso, caracterizados como aqueles com convívio intradomiciliar ou contato contínuo em ambiente fechado por quatro horas ou mais, segundo o Guia de Vigilância em Saúde do MS (2017). Esta medida foi desencadeada, oportunamente, para os dois casos do município.

Cabe ressaltar que o período de incubação desta doença é de, no máximo, 10 dias, isto quer dizer que caso ocorra uma nova suspeita num período após 10 dias, o mesmo não tem relação alguma com os casos anteriores.

A Vigilância em Saúde Municipal e a Estadual seguem alertas no monitoramento da doença meningocócica e frente a qualquer alteração do cenário atual, reavaliarão o perfil e definirão quaisquer novas ações que precisem ser adotadas com o compromisso de manter os níveis endêmicos desta doença, ou seja, dentro do padrão para um determinado período de tempo.

É importante ressaltar que a vacina meningocócica tipo C está disponível, para as faixas etárias preconizadas pelo calendário vacinal vigente, nas salas de vacina do sistema público de saúde, durante todo o ano, desde 2010. O calendário preconiza duas doses de vacina, aos 3 e aos 5 meses de idade, com um reforço aos 12 meses, que pode ser aplicado até 4 anos, 11 meses e 29 dias. Crianças sem histórico vacinal, com idade a partir dos 12 meses, recebem dose única até os 4 anos, 11 meses e 29 dias.

Os adolescentes de 11 a 14 anos, 11 meses e 29 dias recebem dose única, nesta faixa etária, desde março de 2018. As coberturas de vacina meningocócica tipo C entre os adolescentes estão muito aquém da meta, o que torna essa população vulnerável. Planejar estratégias de chamamento para a vacinação dos adolescentes é algo que, além de elevar as coberturas vacinais, aumenta os níveis de proteção individual e coletiva, também reforça a credibilidade da população no sistema público de saúde, no Programa de Imunizações e permite que as ações sejam desenvolvidas de forma organizada.

Diante do exposto, a esfera estadual e municipal desenvolveram as seguintes ações:

Investigação dos contatos íntimos e prolongados; Foram distribuídos medicamentos (Rifampicina) para realização da quimioprofilaxia dos contatos; Investigação laboratorial com identificação do sorogrupo do agente etiológico; Avaliação da situação vacinal dos adolescentes, para a faixa etária indicada, conforme calendário; Foram abastecidas, com a vacina memingocócica tipo C, todas as salas de vacina de São Leopoldo para atender a demanda de adolescentes não vacinados; Reuniões com a comunidade escolar para esclarecimentos e orientações com relação aos casos, a doença e as medidas adotadas.

Secretaria da Saúde
Governo do Estado do Rio Grande do Sul

  11 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

11 Acessos

Corsan vai ampliar redes de água em quatro municípios da região Noroeste

A Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) firmou, nesta quarta-feira (3), convênios com quatro municípios da região Noroeste: Caibaté, Ibirubá, São Martinho e Tucunduva. A empresa repassará um total de R$ 676.944,01 para obras de abastecimento de água. Os documentos foram assinados na Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema). Estiveram presentes o secretário da Sema, Artur Lemos Júnior, o diretor-presidente da Corsan, Jorge Melo, e os prefeitos Amauri Pires da Silva, Abel Grave, Marino Krewer e Marcelo Antonio Burin, respectivamente.

Em Caibaté, será executado o assentamento de redes de distribuição de água e ramais, em substituição às redes de fibrocimento e ramais precários na Avenida Padre Reus (180 m) e nas ruas Monsenhor Wolski (150 m), Caaró (350 m) e 15 de Maio (350 m). Também serão instaladas quatro caixas de proteção de registros, dois hidrantes, quatro interligações, 89 tomadas de água e 712 m de ramais prediais. O valor do investimento é de R$ 95.048,23.

Em Ibirubá, a companhia firmou dois convênios. Um deles prevê a implantação de rede de abastecimento de água no Loteamento Industrial, localizado no bairro Hermany, num investimento de R$ 42.302,08. O outro documento, no valor de R$ 253.429,57, contempla o assentamento de redes de distribuição de água e ramais, em substituição às redes de fibrocimento e ramais precários nas ruas Ernesto Wilms (234 m), Castanhal (970 m), Alfredi Antônio Schwartz (282 m), Getúlio Vargas (100 m), Firmino de Paula (400 m), Comércio (102 m) e Tiradentes (120 m), além de quatro caixas de proteção de registros, dois hidrantes, nove interligações de redes 142 tomadas de água e 1.136 m de ramais prediais.

Para São Martinho, está prevista a implantação de rede de abastecimento de água no Loteamento Jardim das Acácias, situado no bairro Friski. O investimento é de R$ 14.720,87. Já para Tucunduva, o convênio é de R$ 271.443,26 e abrange o assentamento de redes de distribuição de água e ramais, em substituição às redes de fibrocimento e ramais precários em trechos da Avenida Dr. Osvaldo Teixeira (2.058 m), bem como 10 caixas de proteção de registros, dois hidrantes, 12 interligações de redes, 87 tomadas e 900 m de ramais prediais.

Pela Corsan, também estiveram presentes ao ato de assinatura o diretor de Expansão, Marcus Vinicius Caberlon, e o superintendente da região Missões, João Corim da Rosa.

Texto: Douglas Carvalho/Corsan
Edição: Gonçalo Valduga/Secom

  12 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

12 Acessos

Fazenda participa de debates sobre pautas de interesse dos Estados

Nesta quinta-feira (4) e sexta-feira (5), a Secretaria da Fazenda cumpre agendas em reuniões que envolvem os Estados, com discussões de interesse comum que impactam nas finanças públicas.

O secretário da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, está em Brasília, onde participa da reunião do Comitê dos Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz), nesta quinta-feira (4), e da reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), na sexta-feira (5).

O subsecretário do Tesouro do Rio Grande do Sul, Bruno Queiroz Jatene, acompanha com o presidente do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (Ipergs), José Guilherme Kliemann, a 65ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional dos Dirigentes de Regimes Próprios de Previdência Social (Conaprev), no Pará. Entre as pautas do Conaprev, estão a PEC 006/2019, que trata da Reforma da Previdência, além de discussões sobre o fortalecimento e normas de gestão dos RPPS (Regimes Próprios de Previdência Social).

O subsecretário Jatene, que recentemente assumiu o posto na coordenação do Grupo de Gestores de Finanças Estaduais (Gefin), está representando o Gefin e o Confaz na reunião.

Texto: Ascom Sefaz
Edição: Gonçalo Valduga/Secom

  11 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

11 Acessos

RS registra primeiro caso autóctone de chikungunya no ano, em Esteio

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) confirmou nesta quinta-feira (4) um caso de febre chikungunya em uma mulher residente de Esteio.

É o primeiro caso no ano na qual a contaminação ocorre dentro do Rio Grande do Sul. A pessoa não tem histórico de viagem. No dia 21 de março, começou a sentir sintomas de dores nas articulações, músculos e irritações na pele.

A Secretaria Municipal de Saúde já realizou – nas áreas próximas à residência da pessoa - a varredura por locais com água parada, onde o mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti, se reproduz.

A infecção por chikungunya começa com febre, dor de cabeça, mal-estar, dores pelo corpo e muita dor nas articulações (joelhos, cotovelos, tornozelos e pulsos), em geral, dos dois lados, podendo também apresentar, em alguns casos, manchas vermelhas ou bolhas pelo corpo. O quadro agudo dura até 15 dias e cura espontaneamente.

Veja os principais sintomas da chikungunya:

– Febre

Termômetro temperatura 2 Febre é um dos sintomas da chikungunya - Foto: Divulgação

– Dores intensas nas articulações (joelhos, cotovelos, tornozelos e pulsos)

–  Pele e olhos avermelhados

–  Dores pelo corpo

–  Dor de cabeça

–  Náuseas e vômitos

Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas. Normalmente, os sintomas aparecem de dois a 12 dias da picada do mosquito, período conhecido como incubação.

Prevenção

Assim como a dengue, zika e febre amarela, para prevenir a chikungunya é fundamental que as pessoas reforcem as medidas de eliminação dos criadouros de mosquitos Aedes aegypti nas suas casas, trabalhos e na vizinhança.

dengue30 É preciso deixar os vasos sem água parada para combater o mosquito - Foto: Arquivo Palácio Piratini

Nesse contexto, a melhor e mais eficaz prevenção é evitar a proliferação do inseto, eliminando água armazenada que pode se tornar possíveis criadouros, como em vasos de plantas, lagões de água, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso e manutenção, e até mesmo em recipientes pequenos como tampas de garrafas.

Casos no RS

Neste ano, um caso importado (quando a transmissão é fora do RS) já havia sido confirmado, em um residente de Porto Alegre. Em 2018, o Estado teve 11 casos autóctones de febre chikungunya, todos eles no município de Santiago, na Região Central. Além desses, outros oito registros importados também foram confirmados ano passado.

Em 2017, foram 18 casos, todos importados. Enquanto em 2016 foram quatro autóctones e 69 importados.

Texto: Ascom/SES
Edição: Marcelo Flach/Secom

  30 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

30 Acessos

Acessibilidade e inclusão marcam a Semana de Conscientização do Autismo

A Faders – Acessibilidade e Inclusão, órgão vinculado à Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), realizou nesta quinta-feira (4) um dia de atividades alusivas à Semana Estadual do Autismo.

A diretora-geral da SJCDH, Maria Fernanda Bermudez, participou da abertura das atividades com a presença do Grupo de Apoio a Familiares da Pessoa com Autismo (Gafapa). “Nós precisamos ter políticas públicas que preparem as pessoas, que preparem a sociedade”, disse Maria Fernanda.

Secretário de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Catarina Paladini, quando deputado estadual, em 2015, foi autor do projeto de lei que cria a Política Estadual de Atendimento a Pessoas com Autismo. “Eu acredito que respeito, inclusão e tolerância passam por conhecimento, educação e políticas públicas eficientes”, afirmou.

Para as atividades desenvolvidas nesta quinta-feira, foram criados ambientes lúdicos com caixas sensoriais para o estímulo das crianças com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

O evento contou com o apoio do Serviço de Educação, Capacitação e Ajudas Técnicas (Secat), do Centro de Atendimento e Desenvolvimento de Estudos e Pesquisas (Cadep). Também participaram o diretor administrativo da Faders, Romário Cruz, a diretora técnica, Ana Flávia Beckel Rigueira, e a coordenadora da Cadep, Clarissa Aliatti Beleza.

A programação segue até o próximo domingo (7), quando ocorrerão duas caminhadas: a primeira, às 9h, no parque da Redenção, em Porto Alegre e a segunda, em Alvorada, na Parada 47, às 15h30.

O Dia Mundial de Conscientização do Transtorno do Espectro Autista (TEA) é lembrado em 2 de abril. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2007, para prevenir preconceitos que possam existir contra pessoas com o transtorno.

Mais informações sobre os serviços, acesse o site da Faders.

Texto: Ascom SJCDH
Edição: Marcelo Flach/Secom

  12 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

12 Acessos

Prefeitura de Estrela cede prédio para instalação da 16ª Coordenadoria Estadual de Saúde

Na manhã desta quinta-feira (4), o prefeito de Estrela, Carlos Rafael Mallmann, esteve no gabinete da Secretaria da Saúde, Arita Bergmann, para fazer a entrega simbólica da chave do prédio que abrigará a sede da 16ª Coordenadoria Estadual de Saúde (CRS). O imóvel, de três andares, está sendo cedido pelo município para o Estado.

A secretária Arita agradeceu ao prefeito e ao secretário municipal de Saúde, Elmar Schneider, pelo espaço privilegiado na cidade. “Poderemos propiciar melhores condições de trabalho para a nossa equipe”, afirmou Arita.

O prédio fica na praça central, próximo da prefeitura de Estrela. A secretária ressaltou que a 16ª CRS já foi considerada um exemplo de sucesso de boas práticas na distribuição de medicamentos, “mesmo com condições limitadíssimas de armazenamento”.

SES Estrela 2 Secretária Arita esteve em Estrela no fim de março e conheceu o prédio (amarelo, ao fundo) - Foto: Divulgação / SES

Para o futuro, Arita é otimista de que o serviço será ainda melhor com as novas condições. "Com esse gesto do prefeito, poderemos melhorar ainda mais as boas políticas de saúde que a população espera do município e do Estado", acrescentou.

O prefeito Mallmann disse que é preciso trabalhar em conjunto para o benefício da população. O secretário Schneider se solidarizou com a gestão estadual e disse ser importante garantir a permanência da coordenadoria na região.

Texto: Marília Pereira Bissigo/Ascom SES
Edição: Marcelo Flach/Secom

  13 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

13 Acessos

Instituto de Educação Flores da Cunha celebra 150 anos de tradição

O Instituto Estadual de Educação Flores da Cunha, uma das mais tradicionais escolas do Rio Grande do Sul, que já teve entre seus estudantes personalidades históricas como Elis Regina, Demétrio Ribeiro e Inácio Montanha, está comemorando o aniversário de 150 anos. Para celebrar a data, ocorre nesta sexta-feira (5) uma sessão solene com a participação de ex-alunos e autoridades, a partir das 16h, no auditório do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul (IHGRGS).

O secretário da Educação, Faisal Karam, a secretária adjunta, Ivana Flores, e a coordenadora da Divisão Porto Alegre (DPA), Sandra Mauat, participam da celebração. Também haverá apresentação do coral das ex-alunas do Instituto de Educação. Atualmente com 1,4 mil estudantes, o instituto é o estabelecimento mais antigo de formação de professores do país.

Conforme o diretor, Wagner Cardoso, comemorar a história da instituição significa acreditar na esperança do ensino público de qualidade. “A nossa escola é uma tradição para muitas gerações e continua sendo uma referência em educação. Teremos muitos ex-alunos e educadores nesta linda festa do nosso colégio", destaca.

Tradição escolar

O Instituto de Educação de Porto Alegre, criado em 5 de março de 1869, recebeu o nome em homenagem ao governador do Rio Grande do Sul e general do Exército brasileiro José Antônio Flores da Cunha, natural de Santana do Livramento.

Até a década de 1930, funcionou em um edifício na esquina das ruas Marechal Floriano e Duque de Caxias. Depois, foi determinada a construção de uma sede na Avenida Osvaldo Aranha. Um decreto de 9 de janeiro de 1939 conferiu-lhe a presente denominação. O prédio foi tombado pelo município de Porto Alegre em 1997.

Texto: Diego da Costa/Seduc
Edição: Gonçalo Valduga/Secom

  9 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

9 Acessos

Colheita do arroz alcança 64% da área prevista

O Rio Grande do Sul já colheu 629.244 hectares de arroz da safra 2018/2019, alcançando 63,9% do total estimado de 984.081 hectares.

Até o momento, a produção é de 4.929.365 toneladas, com produtividade média de 7.834 quilos por hectare. Os dados são da Seção de Política Setorial do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), a partir de informações fornecidas pelo Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural (Dater) e pelos Núcleos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Nates).

Como no último levantamento, a região mais adiantada do Estado é a Planície Costeira Externa, que registra área colhida de 86.236 ha (76,5%), produção de 637.460 toneladas e produtividade de 7.392 kg/ha.

A Planície abrange 28 municípios produtores de arroz. Algumas cidades da região já estão perto de terminar os trabalhos, como Cidreira (96%), Sapiranga (94,7%), Gravataí (94,4%) e Viamão (93,3%).

A Fronteira Oeste é a segunda mais avançada, com 215.292 ha (71,4%). A produção alcança 1.731.766 toneladas e produtividade, 8.044 kg/ha. Na sequência está a Zona Sul gaúcha, com 102.474 ha (65,8%). A produção nessa região está em 846.754 toneladas e alcança a melhor produtividade até agora: 8.263 kg/ha.

A Campanha colheu 86.902 hectares (61,9%), com 649.541 toneladas e 7.474 kg/ha de produtividade. Logo após está a Planície Costeira Interna, que registra 83.040 ha (59,9%), 634.165 toneladas e produtividade de 7.637 kg/ha. A região Central, por sua vez, apresenta 55.300 ha (40,9%) colhidos, produção de 429.679 toneladas e 7.770 kg/ha de produtividade.

Evolução colheita arroz 4ABR A região mais adiantada neste início de abril é a Planície Costeira Externa, com 76,5% da área colhida - Foto: Arte / Irga

Para conferir a evolução da colheita de arroz no Estado por núcleo do Irga ou por municípios, acesse aqui.

Texto: Sérgio Pereira/Ascom Irga
Edição: Marcelo Flach/Secom

  40 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

40 Acessos

Sobe para 42 número de casos de dengue em 18 municípios do RS

Subiu para 42 o número de casos de dengue contraída dentro do estado, chamados de autóctones. O balanço foi publicado nesta semana pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), com dados até o último sábado (30 de março). Após o Rio Grande do Sul ter passado 2018 pela primeira vez sem casos transmitidos dentro do território, a doença neste ano já foi confirmada em 18 cidades. Dessas, a maior concentração é na região missioneira, com 19 casos em 10 cidades. Outros 19 municípios tiveram 39 casos importados, quando a pessoa pegou a dengue em outra unidade federativa.

O panorama reforça a importância das medidas de prevenção, que em especial buscam evitar a existência de locais com água parada, onde o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, o Aedes aegypti, se reproduz. Esta época do ano ainda é favorável à proliferação do inseto, em virtude das temperaturas ainda estarem elevadas aliado ao período de chuva.

O município com o maior número de casos no ano é Porto Alegre, com 15 autóctones e 5 importados. Além da capital, a Região Metropolitana já teve casos com circulação local em Esteio (2 casos), Glorinha (1) e Ivoti (1). Na Região Norte, Erechim, Erval Seco, Marau e Tenente Portela registram um caso cada.

Na região missioneira, os casos estão distribuídos em Santa Rosa (5 confirmações), Cândido Godói (1), Horizontina (1), Ijuí (1), Panambi (3), Santo Ângelo (2), Santo Antônio das Missões (1), São Borja (1), Três de Maio (1) e Tuparendi (3).

Aumento das infestações

Das 497 cidades, 339 são consideradas infestadas pelo Aedes aegypti. O conceito refere-se aos municípios que tiveram focos do mosquito nos últimos 12 meses. São 20 cidades a mais do que no mesmo período do ano passado ou 93 em relação a 2017. A lista completa das cidades está disponível no Informativo Epidemiológico de Arboviroses publicado pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs).

País tem crescimento de 264% nos casos

Dados do Ministério da Saúde divulgados em março apontam um aumento de 264,1% dos casos de dengue no país, que passaram de 62,9 mil nas primeiras 11 semanas de 2018 para 229.064 no mesmo período deste ano (até 16 de março). O número de óbitos pela doença também teve aumento, de 67%, sendo grande parte no estado de São Paulo.

Transmissão e prevenção

A transmissão da dengue, zika e chikungunya ocorre pela picada do Aedes aegypti. O inseto tem em média menos de um centímetro de tamanho, é escuro e com riscos brancos nas patas, na cabeça e no corpo. Para se reproduzir, ele precisa de locais com água parada, que é onde ele deposita os ovos. Por isso, o cuidado para evitar a sua proliferação busca eliminar esses possíveis criadouros, impedindo o nascimento do inseto.

Recomenda-se:

Tampar caixas d'água, tonéis e latões; Guardar garrafas vazias viradas para baixo; Guardar pneus sob abrigos; Não acumular água nos pratos de vasos de plantas e enchê-los com areia; Manter desentupidos ralos, canos, calhas, toldos e marquises; Manter lixeiras fechadas; Manter piscinas tratadas o ano inteiro.


Fique atento aos sintomas

Febre alta (maior que 38,5°C), de início abrupto e que dura entre 2 e 7 dias; Dores musculares intensas; Dor ao movimentar os olhos; Mal-estar; Falta de apetite; Dor de cabeça; Manchas vermelhas no corpo;

Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados, todos oferecidos de forma integral e gratuita por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Texto: Ascom SES
Edição: Gonçalo Valduga/Secom

  23 Acessos

Copyright

© Governo do Rio Grande do Sul - Notícias do Piratini

23 Acessos